Just go, and don't look back
Fui a amargura seguido da solidão. Fui muitas vezes lágrimas de saudade e outras muitas, de despedidas. Cai muitas vezes mas também aprendi que a cada vez que eu ficava de pé, me fortalecia. Hoje sou uma tempestade carregando muitos trovões e relâmpagos mas sou também a calmaria, o silêncio da noite e o vento frio que arrepia. Para esconder novas dores, novas mágoas, novas inquietações da minh’alma, sorrio. - Por: Richard Netto; Rafael, 20 anos, vivendo num mundo louco, com pessoas loucas. Mas pensando bem, o quão chato seria se ele fosse normal, com pessoas normais ? Quedas e mais quedas, me fizeram ser o que sou hoje. Cicatrizes perduram, assim como o ensinamento que elas trouxeram ! Não sou hoje o que fui ontem, e não serei amanhã o que fui hoje. Metamorfose ambulante? É, talvez isso me defina bem !
1 2 3 4 5 »

“Acreditar é o primeiro passo para o sucesso !”
~ R.B.

3 weeks ago 0 notes · reblog

AAAh… Tanto tempo que não me permito descarregar minhas angústias nesse teclado. Aqui estou eu de novo, de volta, mais uma vez. Nesse meeeeesmo teclado, já escrevi tanta coisa boa, tanta coisa ruim, tanto conselho, tanta merda. Mas hoje, não tem nada disso. Hoje vai ter um pouquinho de desabafo. Um pouquinho de mim vai ficar aqui hoje, um pedacinho disso que chamam de “eu”.
A vida é cheia de surpresas, não é? Tão clichê essa frase. Mas por que será que nunca sai de moda? Deve ser justamente por que é verdade absoluta para qualquer pessoa. A vida é uma caixinha de surpresas, e absolutamente todo ser humano já teve o prazer de saborear uma dessas reviravoltas. Eu já passei por tantas… Que você nem imagina.
21 anos parece muito tempo, não é mesmo? É minha idade atual… 21 anos e alguns meses, sei lá quantos. Não tô a fim de contar. Agora imagine essa idade multiplicada por uns 30? Talvez ainda seja pouco pra dizer exatamente a idade que eu sinto que tenho, e quando digo isso, digo em todos os aspectos possíveis… Desde a idade mental, até a da coluna (putz, essa deve ser a mais avançada).
Foram váários anos de uma vida conturbada que culminaram no que sou hoje. Desde pequeno, tive o desprazer de ser homem. De ter responsabilidades que um menino de 8… 9 anos não deveria ter. Afinal de contas, o que uma criança com essa idade deveria fazer? Brincar, jogar bola, estourar o dedo no chão, se cortar… Chorar! Mas de dor física, sabe… Aquela dor de passar Mertiolate na ferida aberta (essa porra, na época, ardia pra caralho) era realmente uma “dorzinha”, como dizia meu pai. Ahh, como eu queria todas aquelas dores de volta, e entregar todas as que eu tenho hoje. Seria uma troca tão justa. Afinal de contas, por que temos que sofrer tanto? Por que temos que nos machucar? Porra, será que ninguém inventou ainda uma forma de evitar o sofrimento? Ah, sei lá, talvez já tenham inventado, mas não tenha dado tão certo. Talvez não daria mesmo. O sofrimento faz parte do crescimento e amadurecimento. Mas precisava doer TANTO?
Com o passar do tempo a gente vai substituindo aquelas emoções de criança, sabe? De querer se amostrar pra garota mais bonita da escola fingindo que tropeçou na frente dela, só pra fazê-la rir(ô deus, por queee?)… A nossa decepção era quando ouvíamos no desenho: “Oi, eu sou o Goku”. Putz, aquilo dava mó raiva. Nossa tristeza era jogar uma partida de gude e voltar sem nenhuma pra casa. Nossa raiva era quando a gente pedia “pra descer” e o pai não deixava. Ah, isso sim era vida. E eu achava que era a criança mais infeliz desse mundo. Pobre ingrato, que não sabia de nada da vida. Aliás, ainda não sei ! Ninguém sabe ! Ninguém NUNCA vai saber. A vida é feita de aprendizados… E cada pessoa possui aprendizados diferentes. Ahhh, essas dores do passado eram tão insignificantes perto da dor de ser adulto. As dores de criança são cócegas, sabe? Aquela agoniazinha engraçada quando passam uma pena pela sua orelha.
A gente cresce… E um dia a gente aprede, como já dizia o eterno Chorão. Pois é… Aprendi. Hoje eu sei o quanto dói deixar de ser criança. Sei o quanto dói amar, o quanto dói sofrer, o quanto dói se arrepender, e principalmente… o quanto dói viver nesse mundo. Mas nem por isso esqueci do brilho que a vida tem. Não consigo… Não consegui. Viver é bom, é libertador, sabe? Ainda mais pra mim, que gosto de fazer tudo como se o mundo fosse acabar hoje! Eu tento aproveitar cada segundo como se fosse o último. Sei lá, vai que eu dou um treco e PUFF… Já era? Pelo menos vou, com a certeza de ter feito o que quis fazer. Acredito que ainda há muito que viver, mas vou te contar uma coisa… Não vai ser fácil não. A cada dia que passa, a caminhada se apodera de novos e mais difíceis obstáculos. Uma hora eu vou parar num deles, não sei quando, mas vou. Quando esse dia chegar, minha caminhada terá chegado ao fim… Mas… Talvez não.
Já escrevi tanto, mas disse tão pouco… Hoje trago mais uma decepção em minha vida. Mais uma tristeza. Mas também trago mais uma vontade de seguir em frente, de vencer isso tudo e dizer: porra, eu sou foda (#sqn).
“Ah, mas quem se importa, cara? Você é um merda sentado numa cama, gordo, escrevendo pra quem ler?” Ué, você não leu? Sou sim. Às vezes até penso, por que não escrever um livro? Putz, poderia dar certo. Mas aí lembro que não tenho senso de continuidade NENHUM, e que meu livro seria perfeito… Para portadores de dislexia. AAAh, talvez para residentes de locais de recuperação de pessoas com deficiência mental. Nesses locais, provavelmente seria um sucesso… de vendas? Provavelmente teria que doar ainda, por que… Quem diabos iria pagar em um livro pra louco?
Tá… Vamos ao que interessa. Aliás… O que interessa mesmo? Sei não. O que sei é que você já tá nesse pedaço de texto sem ter lido absolutamente nada de significativo. Pois é… Até eu tô me incomodando por ainda não ter tido uma ideia do que escrever. Quer saber, esquece. Eu fiz o que pude, escrevi o que deu na telha, e como sempre… Desabafei. Quem vai ler? Sei lá, mas tenho certeza que vai ser corajoso em pegar umas… trocentas… linhas e lê-las com vigor de uma tartaruga, e constatar, no final delas, de que o autor (oi, prazer) não disse coisa com porra nenhuma.
Ah… Eu tentei, dá um desconto aí.

Por: Rafael N. Barros
Em 01.07.2014, finalizado às 17:22.

~ usi

“A vida é feita de escolhas. Umas boas, outras nem tanto. Mas o importante, é que não importa qual escolha você faça, ela sempre trará consequências em efeito dominó.”
~ usi

4 months ago 0 notes · reblog
“Assim como qualquer ser humano, eu também mereço ser amado e respeitado. Eu mereço fazer diferença na vida de alguém, e não ser desprezível como um pedaço de guardanapo usado ! Eu quero ser O homem na vida de alguém, e não UM. Eu cansei de não ser importante, até pra mim mesmo. A vida nos ensina que, ao olhar no espelho, você tem que ver ali a única pessoa que pode realmente te fazer feliz e importante. E é exatamente esse meu objetivo. Tirar o ângulo do espelho, deixando de enxergar ao redor, e colocá-lo em minha frente. Afinal de contas, pra quem sou mais indispensável, do que a mim mesmo?”
~ usi

10 months ago 0 notes · reblog
“Só torça pra não ser tarde demais…”
~ usi

1 year ago 0 notes · reblog
“Aquele momento em que você daria tudo por umas férias de sua vida, jogar tudo pra cima, e desaparecer.”
~ usi

1 year ago 0 notes · reblog
“O mal do esperto, é achar que todo mundo é idiota !”
~ usi

“Enquanto houver chão para trilhar, caminhos para seguir, eu ando. E quando os caminhos se esvaírem, estarei pronto pra abrir novos caminhos, conhecer novos ambientes, pessoas, locais… Quando uma porta se fecha, 10 se abrem… Quando um caminho some, outros 20 surgem. A única coisa que tenho certeza, é que lá no fim desse caminho que eu percorro, a morte me espera ! E ali, está declarada o fim da caminhada.”
~ usi

1 year ago 0 notes · reblog
“Vida segue… Continua… Não pára. Enquanto estiver parado nos caminhos dos pensamentos, o tempo passa… voa. Transforma cada momento de sua vida num completo apagão, como se você não tivesse existido. Vida segue, e segue sempre para frente. Olhar pra trás é importante, mas olhar pra frente é mais ainda. Vamos lá… Let’s do it again. Let’s go ahead !”
~ usi

1 year ago 0 notes · reblog
“"A saudade é algo que sempre vem", me disseram. Respondi: Ou é algo que nunca parte, nunca vai embora, apenas se esconde, e num momento nem tão propício assim, sobressai.”

1 year ago 0 notes · reblog
“Um dia me fizeram desacreditar no amor… Me fizeram crer que ele é só dor, só sofrimento. Pra falar a verdade, tem muito disso aí. Mas não é SÓ isso ! Tiro pelos momentos bons que ele pode proporcionar, pelas coisas boas que ele trás, pelas eternas mudanças que precisamos ter para nos encaixar. Bom, eu passei um bom tempo desacreditado… Achando que não seria mais capaz de amar. Mas isso mudou… E mudou muito. Passei a acreditar novamente, e hoje, por mais decepções e tristezas que me venham, sei que isso não vai mudar… A tempestade é certa, mas o sol uma hora irá aparecer. Então por que desacreditar ? Por que deixar tudo pra trás, e tentar inutilmente esquecer ? Por que esquecer os momentos bons, e destacar os ruins, se podemos justamente fazer o contrário ? E é só fazendo isso que percebemos muito bem onde está aquele sentimento tão único e puro, que se perdeu por conta dos erros, das decepções, mágoas e tristezas. O amor.”
~ usi (via: letsgoand-do-it)

1 year ago 0 notes · reblog
“E quanto mais difícil for, mais eu vou me esforçar. Não importa a dificuldade, o que importa é a recompensa de tanto sacrifício depois ! É por isso que eu não desisti, não desisto, e nunca desistirei… Afinal de contas, é de minha essência não abandonar ou desistir dos meus sonhos e das pessoas que eu AMO !”
~ usi (via: letsgoand-do-it)